sexta-feira, 19 de junho de 2009

Coleções




















Cada um de nós traz dentro de si um pequeno mundo , cheio de mistérios e inquietações.
Muitas vezes passamos toda uma vida sem que alguém realmente perceba o que vai dentro de nossos corações.
Corre-se tanto atrás do tempo que não se tem tempo para viver realmente.
Às vezes é só questão de perceber as entrelinhas, aquelas pequenas mensagens que enviamos todos os dias e que passam em branco.
Descobri recentemente na casa de uma amiga, uma coleção de relógios, lindamente acomodada em uma mesa com tampo de vidro.
Fiquei fascinada com a beleza das peças, o cuidado com que são guardadas.
A coleção é do marido dela. Fiquei pensando no que leva alguém a colecionar relógios e tenho minha teoria.
Penso que o marido em questão deva ser extremamente metódico, organizado e meticuloso.
Talvez tenha passado sua vida correndo atrás do tempo e perdido grandes chances de viver realmente em função de seus desejos e sentimentos.
Tenho um outro amigo que coleciona sinos. Sinos de todos os tamanhos e cores.
Este, passou e passa boa parte de sua vida dentro da igreja . além de frequentar os cultos religiosamente, faz parte da orquestra e ganha seu sustento trabalhando na entidade.
Quando nos encontramos, ele faz comentários sobre minha ausência periódica nos cultos e diz que decididamente não vou para o céu.
Bem, se o passaporte para o céu depender do número de vezes que vou à igreja, realmente estou em maus lençóis.
Tive uma conhecida que colecionava cães, pequenos bibelôs espalhavam-se pelos móveis, prateleiras e estantes. Sua paixão por cães ficava no âmbito das porcelanas e cristais, já que os de verdade passavam longe de sua vida.
Acho que coleções são imprescindíveis na vida de uma pessoa, elas dizem muito sobre o interior de uma pessoa.
Tenho algumas coleções que decididamente falam muito de mim.
Tenho uma pequena coleção de bonecas que encanta meus olhos e meu coração. Talvez por não ter tido muitas na infância, ou por carregar dentro de mim uma criança com sede de brincar e de viver.
Tenho coleção de canecas, de vários tamanhos e de várias nacionalidades. Como sou apreciadora de café e cappuccino, talvez isso explique o encanto pelas peças.
Coleciono chaveiros há muitos anos, tenho uma caixa mais ou menos organizada (o forte do pisciano decididamente não é a organização) onde os atiro depois de usá-los por um tempo. Talvez a explicação esteja no número de vezes que mudei de residências e na quantidade de chaves que às vezes nem sei de onde são e para que servem.
Mas, de todas as coleções que tenho, a melhor e a mais amada , é a minha coleção de cartas,fotografias, cartões e bilhetinhos de amor.
Estas estão em um baú , cresce a cada dia e são verdadeiramente o meu tesouro.
Sei que essa coisa de coleção é um pouco de bobagem, nada levaremos daqui quando partirmos, mas gosto de ler e reler pequenas mensagens de amor e carinho que recebi ao longo da vida e invariavelmente me emociono e sinto saudade de momentos em que fui tão feliz.
Sei que não vou levá-la , mas nela deixarei um pouco de mim para os amigos, para as filhas e netos (se um dia os tiver).
É a prova de que por aqui passei, vivi, amei, existí.

Nana Pereira

Um comentário:

Aninha Leme disse...

dentro de mim eu tenho um macaco raivoso louco pra comer o pavê feito por vossa senhoria!! nhammmmmmmm
adorei o texto!!!
também quero um baú!

beijosssssssss