sábado, 7 de março de 2009

Tannhäuser
























Com um ataque preciso das flautas e clarinetas a música se inicia.
Por um momento penso que todos ouvem as batidas do meu coração.
As cordas em silêncio respeitoso, aguardam o momento certo para juntarem-se à orquestra.
Enquanto conto as pausas e acompanho a evolução dos metais, minhas mãos apertam o violino e todo meu corpo estremece.
Meu Deus! Quão bela é a música de Wagner!
Os violinos e violas dão seus primeiros acordes e lentamente a melodia entranha-se na minha alma.
Meus olhos acompanham a partitura, minha mão acaricia o violino e meu cérebro fica tomado de lembranças de que coisas que nunca vivi.
Penso nos milhões de mulheres judias sendo torturadas e mortas ao som de Wagner. Meu peito parece que vai explodir , meus olhos enchem-se de lágrimas e uma tristeza sem tamanho toma conta de mim.
Minha tristeza aumenta quando penso na história universal das mulheres, que sempre foram tratadas como seres inferiores e sem valor.
A música vai chegando ao fim, entre lágrimas golpeio o violino com o arco, como se quisesse gritar para todos que o mundo só é mundo porque nós mulheres existimos e geramos vidas.
Parece incoerente para mim, existir tanta beleza nas mulheres e ninguém perceber.
Penso que uma cegueira tomou conta dos seres e ninguém vê as barbaridades que são cometidas contra nós mulheres , uma surdez convenientemente cruel que não ouve os pedidos de socorro e os anseios de nossos corações.
Não queremos a hipocrisia do dia internacional da mulher , queremos que nos olhem com olhos de amor, que nos toquem com mãos carinhosas todos os dias de nossas vidas.

Nana Pereira

Um comentário:

Aninha Leme disse...

adorooooooooo!!!

fico pensando que, com um bom marketing, conseguiríamos transformar muitas histórias de barbáries no país tupiniquim em algo memorável como o holocausto...

golpear o violino? esqueceu de comentar as vezes que vc enterra o arco nos olhos do Sukita kkkk!!!

beijosssssss