domingo, 30 de novembro de 2008

A casa 37






























Nenhum sinal de vida, nenhuma viva alma, a casa parece abandonada!
O muro de cor verde musgo, muito sujo e com a pintura descascada não me deixam mentir.
É uma daquelas casas que instigam nossa imaginação : será que o morador desistiu da vida?
Será que abandonado pela mulher, deixou-se cair na poltrona encardida da sala e ainda se pergunta "onde foi que errei"?
Sim, porque só pode ser um homem o morador da casa 37, visto que não há enfeite de Natal na porta de entrada e o jardim foi esquecido!
O velho portão de madeira parece que há muito não é aberto, na calçada em frente, um arbusto de hibiscos vermelhos carregado de flores, é a única evidência de vida no local.
À sombra do arbusto, um jovem mendigo dorme a sono solto, de boca aberta com seu vira-lata ao lado.
Pessoas passam pelo local sem perceber sua presença.
Olho novamente para a casa abandonada, vejo que a janela está semi-aberta , mas não há vestígios de luz ou de um rádio tocando música.
Percebo que o jardim , no passado, já foi bem cuidado, pequenas roseiras secas e até um jasmineiro ressecado estão lá para provar o que eu digo.
Talvez a mulher tenha falecido, e desgostoso, o homem não saiba como recomeçar a nova etapa de sua vida.
Não sei, mas há algo de triste naquela casa, um silêncio doído, uma história de amor interrompida.
Curiosa, fico parada em frente ao portão. O vira-lata me olha sem interesse e volta a dormir ao lado do seu dono.
Verifico a hora no meu relógio de pulso e vejo que ainda tenho alguns minutos antes de prosseguir meu caminho, ajeito minha bolsa no ombro direito enquanto carrego o violino na mão esquerda.
Saio andando lentamente, pensando nas músicas que iremos tocar daqui a pouco, deixo que a tristeza daquela casa abandone meus pensamentos , suspiro profundamente e aperto o violino contra o meu corpo.
Elevo meus olhos para o céu, que hoje está tão azul, tropeço na calçada esburacada e só então lembro que não havia tomado café antes de sair de casa.

Nana Pereira

Um comentário:

Aninha Leme disse...

lindooooooooooo
ameiii ameiiii!
beijos